O Estado do Mundo: Pasolini e Benjamin

Começa a 18 de Maio a Plataforma 2 do Estado do Mundo, iniciativa da Gulbenkian que promove a reflexão sobre o dito a partir da criação artística. Entre outras coisas, há La Rabbia, documentário de Pier Paolo Pasolini que se pergunta "por que razão é a nossa vida caracterizada pelo descontentamento, pela angústia e pelo medo?". É um documento de 1963, profundamente existencialista, e uma oportunidade única para ver material raro de Pasolini em cinema. Em teatro, surge Desempacotando a minha biblioteca, espectáculo a partir de texto homónimo de Walter Benjamin. Lê-se no site do evento que "na primeira [parte] – uma dramatização do texto de W. Benjamin – tratar-se-á dos livros enquanto objectos, nas suas ressonâncias minuciosas, enquanto agentes de uma trama que se constrói ao longo do tempo da sua própria existência: uma espécie de “biografia da bibliografia”. Na segunda, enveredar-se-á por percursos em torno de narrativas inscritas nas páginas de uma colecção concreta de livros: como deambulação por um campo de referências bibliográficas, serão coleccionados excertos de textos diversos que, no seu conjunto, encadeados, servirão para construir um enredo livre em relação à especificidade das respectivas fontes". Ide ver, em www.estadodomundo.gulbenkian.pt